ATENDIMENTO

Período letivo:
2ª a 6ª feira: 8h às 21h30

Período de férias:
2ª a 6ª feira: 8h às 18h

(16) 3373-9247
(16) 3373-9257

Acesso por WhatsApp

biblioteca@eesc.usp.br

USP mantém a liderança entre latino-americanas no THE World University Rankings

03 de setembro de 2021

A USP é a melhor universidade latino-americana, de acordo com o World University Rankings da consultoria britânica Times Higher Education (THE). O ranking foi divulgado hoje, dia 1° de setembro, durante o THE World Summit 2021, que acontece virtualmente entre os dias 1° e 3 de setembro.

Classificada na mesma posição do ano passado, no grupo de 201-250, a USP se iguala a instituições como a Universidade de Waterloo (Canadá), Universidade de Surrey (Reino Unido), Universidade da Coreia (Coreia) e Universidade de Tel Aviv (Israel). Das cinco categorias de indicadores, a USP ficou entre as 100 melhores instituições do mundo em duas: ensino e pesquisa.

No topo da lista estão a Universidade de Oxford (1° lugar), o Instituto de Tecnologia da Califórnia (2º) e a Universidade de Harvard (3°). Das dez primeiras posições, nove são norte-americanas.


Arte: Divulgação/Times Higher Education

Ao todo, o Brasil tem 59 instituições classificadas. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) é a segunda brasileira mais bem posicionada, no grupo entre 401-500.

Em sua 18ª edição, o ranking avaliou mais de 1.600 instituições de ensino superior de 99 países. A avaliação levou em conta 13 indicadores, agrupados em cinco categorias: ensino, inovação, internacionalização, pesquisa (volume, investimento e reputação) e citações (influência da pesquisa).

Times Higher Education

A USP também se destaca em outros rankings divulgados, neste ano, pela consultoria Times Higher Education. No THE Latin America University, um ranking dedicado apenas às instituições da América Latina, a USP ficou na 2ª posição, sendo a brasileira mais bem classificada.

Já no ranking das Universidades das Economias Emergentes, divulgado no dia 9 de março, a USP foi classificada na 13ª posição, mantendo a liderança entre as instituições brasileiras. O ranking avalia as instituições de 48 países considerados emergentes.



Por Erika Yamamoto, do Jornal da USP